Ícone Ramos Agro

Consumo

Vanguardista, o Ramo Consumo deu origem ao movimento cooperativista na Inglaterra, em 1844. Ele reúne tradicionalmente as cooperativas destinadas à compra em comum de produtos e/ou serviços para seus cooperados como, por exemplo, os supermercados e as farmácias cooperativas. O propósito do ramo é um só: somar o poder de compra de todos, reduzindo custos e oferecendo melhor atendimento aos cooperados. Também fazem parte cooperativas formadas por pais para a contratação de serviços educacionais e aquelas de consumo de serviços turísticos.

Em 2023, um diferencial que também pode ser visto nos números:

0

0 milhões

0 mil

Cooperativas

Cooperados

Empregos diretos

2024

0

2023

0

2022

0

2024

0

2023

0

2022

0

2024

0

2023

0

2022

0

*A diminuição do número de cooperativas deve-se às inativações realizadas até junho/2021. É importante ressaltar que as informações aqui apresentadas referem-se às cooperativas com registro ativo junto à OCB.

Panorama do Cooperativismo de Consumo no Brasil

N
CO
NE
SE
S
RR
AP
AC
AM
PA
TO
RO
MT
DF
GO
MS
MG
ES
RJ
SP
PR
SC
RS
MA
PI
BA
CE
PE
RN
PB
AL
SE

Segmentação do Ramo Consumo

Com a missão de garantir abastecimento aos seus cooperados por meio das compras em comum, o cooperativismo de consumo tem como objetivo fomentar preços mais acessíveis e possibilitar melhores condições para os cooperados. As cooperativas do ramo também são conhecidas por sua pluralidade, sendo separadas em dois grupos e nove segmentos: serviços educacionais, veiculares e turísticos; e produtos alimentícios, vestuário e beleza, supermercados, farmácias, postos de combustíveis e equipamentos. Vale ressaltar a participação dos serviços educacionais, que representam 32% do total de cooperativas do ramo, seguido pelas cooperativas de supermercados, que detém a parcela de 24%.

Distribuição das cooperativas nos segmentos

Insumos e bens de fornecimento

55

%
Produtos não industrializados de origem vegetal

50

%
Produtos não industrializados de origem animal

30

%
Serviços

28

%
Produtos industrializados de origem vegetal

20

%

Indicadores Financeiros

As cooperativas de consumo, em sua atuação, realizaram compras em conjunto para conseguir condições diferenciadas, possibilitando o suprimento de produtos de qualidade com menor preço, melhor atendimento e segurança. Elas se posicionam como verdadeiras balizadoras de preços no mercado desde a origem do movimento cooperativista. Seguem desempenhando o seu papel de servir aos cooperados – em seu caráter de consumidores, em condições convenientes quanto a preço, qualidade, oportunidade e melhores condições de compra.

Em 2023, os indicadores financeiros do cooperativismo agropecuário são mais uma prova da relevância do Ramo para o país:

0 bilhões

0 %

0 bilhões

Em ativos

De aumento

Em ingressos
do exercício

Indicadores Financeiros
do Cooperativismo Agropecuário

2021
2022
2023
Ativo total
414.9 MI
524.8 MI
655.5 MI
Capital social
55.3 MI
62.0 MI
80.6 MI
Ingressos
655.5 MI
784.3 MI
996.6 MI
Sobras do Exercício
23.0 MI
36.7 MI
37.9 MI

*Informações referentes a 896 cooperativas registradas junto ao Sistema OCB

Em 2023, os resultados alcançados pelas cooperativas de consumo também podem ser vistos em mais desenvolvimento e qualidade de vida para sociedade:

0 bilhões

foram recolhidos dos cofres
públicos em 2022

0 bilhões

investidos em salários e benefícios aos seus funcionários

Proporção de tributos e despesas com pessoal

(Ramo Consumo)

Tributos sobre vendas e serviços

Despesas com pessoal

0%
0%

Mais de R$ 0 bilhões em tributos e despesas com pessoal

Intercooperação é Negócio

A intercooperação, sexto princípio do cooperativismo, é uma estratégia de negócios onde mais pessoas cooperam e ganham. Por meio de parcerias e negociações, duas ou mais cooperativas, do mesmo ramo ou de ramos diferentes, podem firmar acordos de transações comerciais, de prestação de serviços, de cooperação técnica ou financeira. E em meio a atual crise sanitária provocada pela pandemia, a intercooperação fortalece ainda mais as cooperativas, que saem cada vez mais fortes e competitivas diante das adversidades apresentadas.

Em 2023:

0 %

das Cooperativas de Consumo fizeram negócios com

Cooperativas de Crédito

0 %

das Cooperativas de Consumo adquiriram produtos de

Cooperativas de Trabalho

0 %

das Cooperativas de Consumo utilizaram serviços de

Cooperativas de Transporte

0 %

das Cooperativas de Consumo utilizaram planos de saúde de

Cooperativas de Saúde

Dados Complementares

Outros números confirmam a relevância do cooperativismo de consumo, inclusive em estudos que retratam o mercado e a percepção dos consumidores. É o caso, por exemplo, da pesquisa da CVA Varejo Drogarias, que apresentou as farmácias preferidas da população. O levantamento mostra que a Drogaria Coop ocupa o primeiro lugar no ranking de Valor Percebido, pela forma como se relaciona com o cliente/cooperado durante o atendimento, com agilidade e conveniência, além da variedade de produtos ofertados.

E por falar na Coop, ela também foi destaque no quesito “Força da Marca” em Supermercados, em pesquisa realizada pela CVA Solutions: a cooperativa ficou na 18ª posição, dentre 70 citados!

Desafios e Oportunidades

O cenário atual, reflexo dos últimos acontecimentos mundiais, trouxe perdas significativas para as cooperativas e também as obrigou a se reinventarem. Fez as que são formadas por pais de alunos transformarem a oferta da educação; abriu oportunidades para novas cooperativas atuantes em segmentos como proteção veicular e compras coletivas realizadas por pequenas pessoas físicas e jurídicas; além disso, potencializou coops de consumo que atuam nos segmentos de atacado e varejo.

No segmento de varejo, o que podia ser entendido como uma tendência passou a ser uma realidade: aumento expressivo das compras on-line e da utilização de aplicativos (próprios ou independentes). Serviços como o “clique e retire” e o de entrega em domicílio foram potencializados e consolidados.

E o que esperar para 2023 e os próximos anos?

A retomada da economia vai acarretar uma nova organização do Ramo Consumo: poderemos experienciar novas cooperativas de turismo, com consumidores ávidos por viagens e pelos conhecimentos que elas trazem; cooperativas educacionais em ambientes híbridos e focadas em novas abordagens educativas; cooperativas de seguros regulamentadas e ofertando soluções, a preços acessíveis, a milhões de brasileiros; os supermercados cooperativos serão cada vez mais digitais, respondendo de forma eficaz aos anseios dos cooperados e mantendo, ao mesmo tempo, sua essência cooperativa. Um cenário que promete muito ao cooperativismo de consumo brasileiro, e o Sistema OCB continuará trabalhando junto às cooperativas para a inovação e sustentabilidade dos negócios e melhor retorno aos cooperados.

Ícone de Clique

Baixe agora mesmo todos os dados dessa
página para o seu computador.